segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Caça-Fantasmas (Ghostbusters, 2016)


Eu odeio remakes, em geral pouco criativos e caça-níqueis que capitalizam um filme original. Eu odiei o novo Karate Kid. Eu odiei o novo A Fantástica Fábrica de Chocolate. Eu odiei quando anunciaram esse remake de um dos filmes oitentistas que mais gosto. Eu odeio a Melissa McCarthy como comediante. Eu odiei os trailers que foram sendo divulgados. Eu absolutamente odiei a versão nova da música-tema, provavelmente uma das mais emblemáticas da história do cinema. Eu fui para o cinema pronto pra odiar o filme com mais propriedade, e dava tão pouco por ele que não me incomodei quando a filha pediu para ver a versão dublada.

Por isso digo com toda propriedade: como é bom de vez em quando estar completamente, inapelavelmente, irremediavelmente ERRADO.


Eu adorei a história, que ao mesmo tempo homenageia mas se descola da original. O básico está lá: cientistas sem muito crédito que se juntam para combater uma ameaça sobrenatural crescente que ameaça a cidade de Nova York. Mas a formação e evolução do time, a origem da ameaça, a trajetória do grupo obviamente mudaram para fazer mais sentido na transposição da década de 80 para o mundo de 30 anos depois. E mudaram com bastante coerência. A internet está lá, mas não tira o espaço dos velhos traços em mapas. As tecnologias são novas, mas as armas têm o mesmo jeitão. E mesmo que, assim como no original, você já saiba tudo que vai acontecer, torce, vibra e se diverte do mesmo jeito.

Eu adorei as referências. Em época de anos 80 em alta, com obras como Stranger Things, e em se tratando de algo tão cult como Caça-Fantasmas, seria fácil exagerar na mão nas referências ao filme original, engessando a história ou tornando-a algo sem sentido para a nova geração. As referências estão lá (o logo, o carro, o prédio, uma participação sensacional do monstro de marshmallow, entre muitos outros), mas nota-se uma deferência ao material antigo sem que isso se torne um problema. O fã antigo vai adorar, vai ficar procurando detalhes, mas a história corre sem parar para mostrar "olha aqui, lembra disso?" o tempo todo. Ponto para os roteiristas.


Eu adorei o elenco. Um dos pontos fortes do filme original era o equilíbrio entre os componentes da equipe, sem que um se destacasse muito mais que os demais (embora Bill Murray tivesse alguma profundidade em sua história, especialmente devido à personagem de Sigourney Weaver). Como eu disse ali em cima, não sou fã da Melissa McCarthy, e tinha medo de que as demais servissem apenas como escada para a "atriz principal". Não podia estar mais longe da verdade: todas têm seu espaço, mandam bem, e mesmo Melissa não me incomodou como faz em Mike and Molly, por exemplo. Destaque para Kate McKinnon, como a insana e extremamente produtiva Holtzmann, e Chris Hemsworth, claramente se divertindo no papel do tapadíssimo assistente Kevin.

Eu adorei as participações especiais. Sim, eles estão todos lá. Até Bill Murray (obviamente, com a sentida ausência do saudoso Harold Ramis). Cada um dos atores que fizeram os Caça-Fantasmas originais faz sua ponta nesse filme. Sigourney Weaver também. Até o Geléia (que, pasmem, tem papel importante na história também). Adorei o papel de Ernie Hudson, que rouba a cena por 30 segundos. Mais do que a importância dos papeis em si, o legal é a chancela de "vão lá, gente, bom trabalho, estamos aqui passando o bastão e desejando boa sorte". Ah, sim, tem Ozzy Osbourne também :-)



Eu adorei o filme, em resumo. Depois de toda a polêmica do elenco feminino (que não passa batida no filme, com algumas boas piadas muito bem colocadas lembrando que elas são mulheres e não estão nem aí para o que alguém pensa sobre isso. Aliás, o próprio Kevin, tão criticado, não deixa de ser uma sátira caricatural e muito bem sacada do papel da secretária burra e gostosa), fica fácil transformar esse remake em uma discussão sobre feminismo vs. machismo, ou sobre a necessidade do cinema de tentar mostrar novamente todas as suas boas histórias. Não caia nessa. O filme obviamente não é perfeito, as coisas acontecem muito fácil e nem sempre é fácil seguir a lógica da história. Mas tem sido tão difícil sentar no cinema e ter uma diversão honesta que esse Caça-Fantasmas vale muito a pena por isso. Foi ótimo ver minha filha sair empolgada com um sorriso enorme no rosto ao final da sessão. Assim como eu fiz, com a idade dela, no filme original. E é uma sensação fantástica.

Nota: 7,5/10

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Angry Birds - O Filme (The Angry Birds Movie, 2016)


Depois de bastante tempo sem falar de filmes, e depois de deixar passar "apenas" um Star Wars novo, Batman vs. Superman, Guerra Civil e o último X-Men, volto para falar, sim, de Angry Birds. Os demais todo mundo viu, e eu espero voltar a eles em algum momento, mas agora é a hora dos pássaros e dos porcos.

Longa-metragens baseados em videogames ainda são algo não completamente equacionado pelos estúdios. Além do estranhamento natural de ver na tela algo que se está acostumado a controlar, só que dessa vez agindo sozinho, videogames não costumam ter uma história muito bem estruturada, que tem que ser desenvolvida na transição para o cinema. Muitas vezes fica ruim (Alone In the Dark, Street Fighter, Super Mario Bros.), mas em geral acaba esbarrando no mundo que cada um construiu na sua cabeça a partir das informações que tinha, e que, obviamente, pode ser bem diferente do que aparece no filme.


O que dizer então de um jogo simples de celular, com a premissa surreal de pássaros que não voam sendo atirados por estilingues para destruir porcos que roubaram seus ovos? De cara, não dá nem pra imaginar que história poderia ser contada em quase 2 horas a partir desse fiapo de "universo". Mas isso acaba sendo uma vantagem para o filme: guardando as características de alguns pássaros, e a ideia geral de porcos roubando seus ovos, o filme explora o porquê dos pássaros serem tão "raivosos" de maneira bem divertida, e que pode ser compreendida perfeitamente por alguém que passou os últimos anos em Júpiter e não conhece o jogo.

O filme conta a história de Red, um pássaro com problemas de raiva que vive em uma ilha onde todos se orgulham de serem felizes, e portanto, o desprezam. Os porcos chegam cheios de presentes, querendo fazer amizade, e ele é o único a desconfiar. Quando roubam todos os ovos, ele lidera os pássaros na missão de resgate, com estilingue, efeito dominó e todos os truques que fizeram tanto sucesso no celular.

A ambientação, os personagens (especialmente os secundários - a professora de contenção de raiva, por exemplo, é sensacional), a trilha sonora, as piadas e referências, fazem com que o filme seja muito interessante e divertido, mesmo para os adultos. Destaque também (na versão brasileira) para a dublagem de Fábio Porchat, que já havia feito um bom trabalho em Frozen.



Enfim, não é uma receita de sucesso para os videogames, mas Angry Birds consegue ser divertido focando em uma história que faça sentido dentro do filme, em vez de tentar se ater demais ao videogame, porém guardando características (especialmente dos personagens) que vão ser reconhecidas por quem joga. Parece uma boa fórmula.

Ah, e eu vi em 2D. O 3D não pareceu fazer falta.

Nota: 7,0

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

[Top 10] Coisas que dá pra salvar na trilogia nova de Star Wars


Não se fala em outra coisa no "mundo pop" a não ser Star Wars. Filme novo, a volta dos personagens clássicos, finalmente a continuação da história, spoilers, teorias, conjecturas... E a velha discussão de porque a trilogia nova (A Ameaça Fantasma, Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith) é tão horrível, e só o Samir gosta dela. Assim, já que guardar rancor é o caminho para o Lado Negro da Força, dou o braço a torcer nesse post, relembrando 10 coisas da Nova Trilogia que, digamos, não são um lixo completo (inclusive o próprio Samir me ajudou, já que eu estava há meses pensando, sem conseguir juntar 10 coisas):

(atenção: texto com spoilers dos filmes I a VI)


10 - O paralelo entre as histórias de Luke e Anakin Skywalker

Ao final de Retorno de Jedi, o Imperador e Darth Vader querem de todo jeito convencer Luke a juntar-se ao Lado Negro da Força para salvar aqueles que ama. De certa maneira, você nunca de fato acredita que isso vai acontecer, e, previsivelmente, ele não apenas não se converte como ajuda seu pai a se redimir. No entanto, por mais mal escrita e atuada que seja, a queda de Anakin para o Lado Negro em Vingança dos Sith mostra que aquilo já aconteceu antes, por razões muito parecidas, e que o fato de serem pai e filho torna isso algo a se temer, de fato. Por mais que você saiba que Luke não vá para o lado do Mal.

Tá calor, né? E a Dilma?

9 - Darth Maul

Eu nem acho Ameaça Fantasma o pior filme dos três (pra mim é Ataque dos Clones) mas com certeza é o mais dispensável (esse sensacional post mostra o porquê, e de quebra sugere uma ordem excelente para ver a saga toda). Se bem analisado, nada do que acontece ali tem real importância para os rumos da história. Mas para mim, é lá que está o melhor vilão de toda a trilogia: Darth Maul, aquele que é tão ruim que é mau com u e mal com L ao mesmo tempo. Assustador, tinha um sabre de luz maneiro e passava aquela sensação de algo sinistro que um vilão de Star Wars precisa. Tivesse sobrevivido, com certeza faria melhor papel que Christopher Lee (para mim, totalmente deslocado) e General Grievous (ok, ele era maneiro em Clone Wars, mas nos filmes? Afff).



8 - Trouxe Star Wars de volta e possibilitou novas criações

Muito pouco se falava de Star Wars na década de 1990. Em 1997, o lançamento da trilogia clássica remasterizada (Han atirou primeiro!) começou a trazer de volta a saga ao mundo, mas, como esperado, foi o lançamento de novos filmes que fez com que Star Wars voltasse a ser assunto. E, mesmo não tendo sido bons, esses filmes possibilitaram também o surgimento de coisas maneiras, como Clone Wars, Lego Star Wars e Star Wars: Rebels.




7 - Mais informações sobre o passado dos personagens

Nerds são a maioria do público-alvo de Star Wars. E, como nerds que são, querem compulsivamente mais informações sobre aquilo que os interessa. Isso a nova trilogia traz. Mesmo que as informações sejam contraditórias, desnecessárias, revoltantes ou decepcionantes, bem, elas estão lá.

Mas eu não precisava saber que Anakin foi um moleque mala que gritava IIIPPIII!

6 - O Surgimento de Darth Vader

Desde o dia em que os filmes novos foram anunciados, um momento era muito esperado pelos fãs: a transformação final da pessoa Anakin Skywalker no vilão Darth Vader. E, apesar de alguns detalhes (o NOOOOOO, por exemplo), essa foi uma cena que eu gostei. Lembro de mal respirar enquanto Darth Sidious pegava o Anakin semi-morto e o colocava na icônica armadura. Especialmente a tomada "em primeira pessoa", com a máscara sendo colocada nele pela primeira vez, e seguida da famosa respiração, convenhamos, foi foda.



5 - "Fear is the path to the Dark Side"

A nova trilogia de Star Wars surgiu e se desenvolveu na era da internet. E, como tal, não poderia deixar de gerar memes, piadas, sátiras, e homenagens. Para mim, a mais versátil de todas é a cena em que o Conselho Jedi entrevista o pequeno Anakin para definir se ele será treinado. A fala de Yoda se tornou um clássico instantâneo ("Fear is the path to the Dark Side. Fear leads to anger, anger leads to hate, hate leads to suffering."):



Já no longínquo ano de 1999, pré-internet, Lisa Kudrow (a Phoebe de Friends), estrelou uma sátira a essa cena no MTV Movie Awards (juntando com outro meme pré-histórico, o do Kevin Bacon).


4 - Trilha Sonora

Um fato da vida: John Williams consegue tornar até um filme iraniano interessante, apenas com a trilha sonora. Na nova trilogia não seria diferente. Claro que as músicas da trilogia clássica (especialmente a Marcha Imperial) são, bem, clássicas, mas o trabalho dele nos filmes novos é tão bom quanto, talvez melhor em alguns momentos. A luta de Qui-Gon Jinn e Obi-Wan contra Darth Maul ganha muita dramaticidade ao som de Duel of the Fates:



3 - Trazer Star Wars para uma nova geração

Dezesseis anos se passaram entre Retorno de Jedi e Ameaça Fantasma. Assim como a nossa geração descobriu Star Wars quando criança e trouxe isso consigo, toda uma nova geração, que hoje está nos 20 e poucos anos, conheceu e se apaixonou pela saga a partir dos filmes novos. Se um deles voltou e curtiu a trilogia clássica também, já compensa tudo o que passamos ao nos decepcionar.



2 - O Duelo entre Anakin e Obi-Wan

Outro daqueles momentos que todo mundo que viu a trilogia original sempre imaginava era o duelo final entre Anakin e Obi-Wan. Mestre e discípulo forçados a lutar por tomarem posições contrárias em um conflito. Anakin derrotado, tendo sua conversão completada ao passar por um sofrimento indescritível ("na lava? como foi isso?", pensávamos nós), e tendo que viver para sempre em uma assustadora armadura de suporte de vida, buscando dominar definitivamente a galáxia. E, apesar de alguns detalhes ("Give up, Anakin, I have the higher ground"? Jura?), a luta não decepciona, podendo ser considerada um dos melhores (talvez o melhor) momento dos 3 filmes:



1 - Jar Jar BinksNÃO, VANZO, SAI DAÍ, JÁ DISSE QUE SÓ VOCÊ GOSTA DELE!!!


Peço desculpas pela interrupção.

1 - A certeza de que a trilogia original é algo único e especial

George Lucas sempre disse que sua história tinha nove partes, e que a trilogia original eram os episódios IV, V e VI dessa história. Ao anunciar os filmes I, II e III, nos encheu de esperança de finalmente termos uma grande história completa. Porém, mesmo com sua presença e direção (ou, na verdade, por causa dele), a nova trilogia foi uma decepção. O que nos mostra que é muito difícil replicar as condições que tornam um filme, ou uma saga, algo memorável. É torcer para que, a partir de amanhã, essas condições estejam novamente reunidas em O Despertar da Força.


E sim, finalmente eles estarão de volta.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Divertida Mente (Inside Out, 2015)


Há tempos que a animação deixou de ser apenas para crianças. Inclusive falei aqui sobre isso. A Pixas, principalmente, vem conseguindo fazer filmes que, embora não deixem de ser interessantes e ter suas mensagens para crianças, falam também com adultos. Wall-E e Up são bons exemplos, onde o componente infantil está lá: os personagens divertidos, a história interessante, as lições de moral. Mas também há algo para adultos: a acomodação da vida moderna e o saudosismo de alguém que se perde, por exemplo. Divertida Mente repete o mesmo fenômeno: é uma história que agrada as crianças e tem mensagens para adultos.

Mas não é só isso.



O filme se passa basicamente na mente de uma garota de 11 anos, Riley, que se muda com os pais de Minnesota para a Califórnia e luta para se adaptar nos primeiros dias de sua nova vida. Os personagens principais são as emoções: Alegria, Tristeza, Medo, Nojo e Raiva. Sem saber direito como lidar com a nova situação causada pela mudança, as emoções entram em uma "aventura" buscando salvar as memórias e vínculos que Riley tem em sua mente. A história é ótima e bastante acessível para as crianças.

Para os adultos, o que chama a atenção é a construção simples desse "universo" da mente humana, desde as lembranças, que são associadas a uma das emoções, os sonhos, o subconsciente... é a parte "genial" do filme para mim. Há ótimas piadas (como a dos funcionários responsáveis pela armazenagem e destruição de memórias, que gostam de uma música de propaganda e vivem fazendo Riley lembrar dela, quem nunca?), e todo o processo de lembrança, esquecimento, amadurecimento, aumento de complexidade da personalidade conforme se fica mais velho está lá. É quase uma aula de psicologia (tomara que os leitores e leitoras psicólogos não me xinguem muito...).

Mas um grande destaque para mim é o uso da animação para criar um novo mundo, que pra mim não poderia ser feito com atores, no modelo "live-action".


A cena acima, por exemplo. Nela, Alegria e Tristeza (dispensam descrições) precisam levar as memórias-base (as mais importantes, aquelas que formam personalidade e caráter) de volta ao centro de "controle". Atrás delas, as prateleiras armazenam as memórias, cada uma com sua cor, de acordo com a emoção associada (alegria, medo, raiva - o interessante é que, enquanto criança, as emoções de Riley são "monocromáticas", achei brilhante). Ao longe, as "ilhas" que representam os principais traços de personalidade associados às memórias-base (na cena, as ilhas da Família, da Honestidade e do Hockey).

Eu poderia falar novamente sobre como foi bem feita essa "construção" da mente, mas para ver isso vale muito mais a pena assistir o filme. Posso citar também as atuações e a dublagem, muito competentes. Agora, o mais interessante é que o uso da animação para criar esse mundo foi fundamental. Divertida Mente não é uma animação por acaso. Além de ajudar a contar melhor a história, também contribui para que se quebre o preconceito de "coisa pra criança".

Se você não viu o filme por isso, esqueça e vá assistir agora. Você não vai se arrepender. Prometo que não conto para ninguém.

Nota: 8,5 (39o. na minha lista de filmes favoritos)

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

[Top 10+] Temas de filmes do 007


Já falei anteriormente sobre Skyfall aqui no blog. Embora eu me sinta a única pessoa do mundo que não gostou do filme, em uma coisa ele acertou em cheio: o tema cantado por Adele é uma das melhores músicas de toda a história do agente. É bela, imponente, e tem todo o estilo de tema de filme do 007, depois de bastante tempo sem que isso acontecesse.

Essa semana, foi divulgada a música-tema do novo filme de 007, Spectre. E, bom, não sei bem como dizer isso, mas tentarei ser minimamente diplomático: é bem ruim. Claro que seria difícil para qualquer um suceder "Skyfall", mas o tal de Sam Smith (de quem, confesso, nunca tinha ouvido falar antes de sexta-feira) canta um tema fraco, afetado e bastante esquecível. Tudo o que um filme de James Bond não merece.

No dia da divulgação, papo vai, papo vem, e a dúvida inevitável surgiu: afinal, qual o melhor tema de James Bond? Claro que cada um vai ter sua opinião, mas eu resolvi ir um pouco adiante e ranquear todos os temas dos filmes, a partir dessa excelente playlist: https://open.spotify.com/user/bill1025/playlist/55dW5o6roy81AtpyJjRNIc

O tema clássico do 007, apesar de ser a trilha oficial de O Satânico Dr. No, está fora desse ranking. O considerei como hors-concours, já que achei que não seria justo colocá-lo entre os temas individuais. É algo muito acima disso:


Além disso, o ranking só considera os filmes "cânone", desconsiderando portanto o Cassino Royale antigo, e Nunca Mais Outra Vez, onde Bond é novamente interpretado por Sean Connery, depois que entregou o papel a Roger Moore, mas não é considerado válido na linha do tempo do agente. Além disso, fugi do modelo "Top 10" porque queria falar de todos os filmes. Isso posto, segue o ranking:


23 - Moonraker - Shirley Bassey (007 contra o Foguete da Morte, 1979)

Shirley Bassey está bem colocada com outras canções nesse ranking, mas na minha cabeça músicas arrastadas demais não combinam muito com James Bond, e esse é o caso. Também ajuda o fato de eu não gostar mesmo da música. Uma pena, já que é um dos filmes mais divertidos (Jaws no bondinho do Pão de Açúcar, supera essa Daniel Craig!)



22 - We Have All the Time in the World - Louis Armstrong (007 a Serviço Secreto de Sua Majestade, 1969)

"Puxa, mas é uma música de Louis Armstrong, como assim?" Mas é justamente por isso: Armstrong é característico demais, e "rouba" a cena na trilha sonora. Não é mais uma música de James Bond, e sim de Armstrong, o que por si não é um problema, mas deixa o filme meio "órfão".



21 - Another Way to Die - Jack White/Alicia Keys (Quantum of Solace, 2008)

Os anos 2000 foram de experimentação nos filmes de Bond. Tanto as histórias quanto os temas foram "reinventados" para uma nova época. Alguns deram certo, esse não. Nem o tema, nem o filme. Experimental demais, pra mim.




20 - All Time High - Rita Coolidge (007 contra Octopussy, 1983)

Como disse, não sou muito fã dos temas muito lentos. Esse é um deles: não é tão ruim, mas esquecível.



19 - You Only Live Twice - Nancy Sinatra (Com 007 Só Se Vive Duas Vezes, 1967)

Outro dos temas "românticos e épicos" que não me agradam tanto.



18 - From Russia With Love - Matt Munro (Moscou contra 007, 1963)

Esse é um dos temas clássicos, isso tem que ser respeitado. Mas também entra na categoria "lentos demais", e a interpretação de Munro, embora bem em acordo com a época, datou um pouco e ficou canastrona.



17 - Tomorrow Never Dies - Sheryl Crow (O Amanhã Nunca Morre, 1997)

Outra das tentativas mais recentes, trazendo uma cantora popular na época para uma série que se reinventava. Gosto do filme, gosto da Sheryl Crow, mas acho que a vibe "épica" não combinou muito com ela.



16 - Writing´s On the Wall - Sam Smith (007 contra Spectre, 2015)

Essa é a mais complicada de julgar, por ter sido recém-lançada, por não termos visto o filme, e até porque seu arranjo ainda pode mudar. Acho que a música começa bem, embora não fantasticamente, porém o refrão é muito fraco, e o falsete dá uma estragada, já que não tem nada a ver nem com o resto da música nem com o personagem. Depois do Rock in Rio, percebi que é meio uma marca registrada do rapaz. Uma pena, mas acho que ele não tem "estofo" para segurar um tema desses.

(não encontrei vídeo, segue link da música no Spotify: https://open.spotify.com/track/4oWmroatZtMmlgc3havMrv)


15 - For Your Eyes Only - Sheena Easton (007 Somente para Seus Olhos, 1981)

Chegando no grupo de músicas que não particularmente gosto ou desgosto, mais um no estilo mais "lento e romântico".





14 - The Man With the Golden Gun - Lulu (007 contra o Homem com a Pistola de Ouro, 1974)

Já entrando nos temas para mim mais "característicos", com muitos metais e um ritmo mais rápido, é um tema até divertido.



13 - Diamonds are Forever - Shirley Bassey (007 - Os Diamantes São Eternos, 1971)

Pela segunda vez na lista, dessa vez Shirley Bassey traz um dos temas mais reconhecidos e com mais "cara de James Bond". Eu sei, eu disse várias vezes que não gosto das lentas, mas essa é exceção.


12 - The World is Not Enough - Garbage (007 - O Mundo Não é o Bastante, 1999)

Ao contrário dos demais temas dessa época, tentou ser mais clássico e não ficou mal. A vocalista do Garbage consegue um bom trabalho em acertar o tom dos filmes.



11 - You Know My Name - Chris Cornell (Cassino Royale, 2006)

O filme é um recomeço na história, mostrando James Bond iniciando sua carreira de agente. O tema acompanha isso, e consegue um retorno legal às raízes. E eu gosto da música em si. A piadinha com o nome da música e a época do filme, em que James Bond não era conhecido também é interessante.



10 - Thunderball - Tom Jones (007 contra a Chantagem Atômica, 1965)

Um dos temas mais clássicos. Um pouquinho Tom Jones demais, mas é excelente.



9 - Licence to Kill - Gladys Knight (007 - Permissão para Matar, 1989)

Apesar de mais lenta, essa é muito clássica. Tem um estilo característico do final dos anos 80 e marcou bastante.



8 - Die Another Day (007 - Um Novo Dia para Morrer, 2002)

Um dos temas mais polêmicos, sem dúvida. Madonna foi chamada no início do século XXI para dar uma cara nova para a trilha sonora do último filme de Pierce Brosnan. Experimental, eu gosto, mas sei que divide opiniões. Ao contrário da atuação dela no filme em si, que ninguém gostou.



7 - Goldeneye - Tina Turner (007 contra Goldeneye, 1995)

Tina Turner é um nome perfeito para um tema de 007. Nessa "ressurreição" do agente na década de 90, foi uma escolha acertadíssima.



6 - Goldfinger - Shirley Bassey (007 contra Goldfinger, 1964)

Talvez o mais clássico e conhecido tema dos filmes de 007, é o primeiro de Shirley Bassey, logo no terceiro filme da série (e, também, um dos melhores de todos os tempos). Tem todos os componentes de um tema clássico: o ritmo, a opulência, a dramaticidade que os caracterizaram em tantos filmes.



5 - Living Daylights - A-HA (007 Marcado para a Morte, 1987)

A partir daqui minha predileção pelos anos 80 começa a falar mais alto. Como em toda essa lista, o gosto pessoal influencia muito, mas é o tipo de música que gosto mais, então naturalmente vai tender a aparecer melhor no ranking. Especialmente por ter visto o show do A-HA no Rock in Rio ontem...



4 - A View to a Kill - Duran Duran (007 Na Mira dos Assassinos, 1985)

Segue o momento anos 80. Adoro essa música, dá um senso de urgência e perseguição. E é do Duran Duran, isso ajuda. Curiosidade: é a primeira música-tema de 007 a atingir o topo da Billboard, o que mostra a mudança para um viés mais pop já sendo feita nos anos 80, quando o personagem começa a perder fôlego.


3 - Live and Let Die - Paul McCartney / Wings (Com 007 Viva e Deixe Morrer, 1973)

Outra daquelas lembradas (e regravadas) até hoje. Talvez o primeiro grande sucesso de Paul McCartney em sua carreira solo. Inesquecível.


2 - Skyfall - Adele (007 - Operação Skyfall, 2012)

Talvez uma surpresa estar tão alto nessa lista, a música de Adele é a tradução perfeita dos temas de 007 para os tempos atuais: épica, majestosa, e extremamente bem executada. Para mim, a única coisa que se salva do filme.



1 - Nobody Does It Better - Carly Simon (007 - O Espião que me Amava, 1977)

Outra surpresa? Não sei se sei explicar bem porque gosto tanto dessa música, mas para mim é dela que lembro quando se fala de temas de Bond. Tem uma "malemolência", uma sensualidade e ao mesmo tempo aquele toque épico a que me referi algumas vezes anteriormente. Inclusive, acho Carly Simon muito subestimada, fala-se muito pouco sobre ela nos dias de hoje. Fica aqui meu reconhecimento, portanto.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Lucy (2014)


A ficção científica. Aquele gênero onde tudo é possível: naves intergalácticas, viagens no tempo, pessoas voando, mundos desconhecidos. Na ficção é onde os autores se livram das amarras da nossa realidade e nos transportam a universos onde nossas regras não necessariamente valem, onde qualquer ideia pode ser verdade e, como não há regras, tudo pode acontecer.

Bem, sim e não.

Por mais que você crie um universo novo, com novas leis, novos seres, novas possibilidades, esse universo ainda deve ser regido por essas mesmas leis. Se seu personagem viaja mais rápido que a luz, ótimo, mas as leis desse universo, e principalmente, sua coerência interna ainda devem estar lá. As pessoas, coisas e ambiente ainda devem se comportar de forma coerente, que faça o espectador acreditar que aquilo poderia acontecer naquelas condições. Claro que existe o conceito de "suspensão da descrença" (que o Nerd Pai explica de maneira muito simples aqui), e esse conceito é muito importante para que o espectador se divirta sem ficar reparando em cada detalhe, mas mesmo ele tem limites. Não dá pra fazer qualquer coisa e dar a desculpa de "ah, é ficção".


Você já deve estar imaginando porque eu estou falando isso. Lucy é exatamente tudo isso que critiquei. Nem me refiro especialmente à premissa "o ser humano usa 10% da capacidade cerebral. Imagina se usasse 100%", que hoje sabemos falsa, mas que de fato é só uma desculpa para dar superpoderes à protagonista (e já vimos desculpas muito piores que essa). O problema é o que o Luc Besson faz DEPOIS disso. A história é confusa, Lucy cria (e esquece) poderes e conhecimento de acordo com a necessidade momentânea da história, personagens aparecem sem que se entenda o porquê (inclusive um deles, em um surto de honestidade, pergunta a Lucy exatamente isso, "O que estou fazendo aqui? Pra que você precisa de mim?"). Claro que a resposta dela também não faz o menor sentido. Mesmo a motivação da história, que é ela adquirindo super-poderes ao ingerir acidentalmente uma nova droga enquanto a contrabandeia, não faz sentido: ninguém nunca tinha experimentado a tal droga antes?

E assim a história vai, com acontecimentos esquisitos se sucedendo, claramente direcionados mais pelo visual que pelo roteiro, o que transforma o filme em uma pirotecnia confusa. Scarlett Johansson exagera um pouco no ar blasé da personagem, ou talvez esteja apenas apática frente a tanta bizarrice. Muitas maluquices depois, ela derrota seus inimigos (que são motivados sabe-se lá pelo quê) e, na cereja do péssimo bolo, vira (sim, isso mesmo:) um pen-drive.

Adoro ficção científica. Quanto mais, melhor, em geral. Mas filmes como esse prestam um baita desserviço ao gênero. Só quis falar dele por conta dessa visão "pode tudo" que algumas pessoas ainda têm. Fuja, e vá assistir filmes bons como Interestelar e Expresso do Amanhã (dois filmes de que ainda falarei aqui).

Estes sim demandam mais do que 10% do seu cérebro.

Nota: 2,0 (está entre os filmes que menos gostei)

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Beleza Americana (American Beauty, 1999)


Vencedor do Oscar em 1999, Beleza Americana, de Sam Mendes, conta a história de Lester Burnham (Kevin Spacey), pai de família acomodado, que se considera um fracasso, tem um casamento falido com Carolyn (Annette Bening), não consegue se comunicar com a filha adolescente (Thora Birch), e de repente se vê apaixonado pela sua amiga de colégio Angela (Mena Suvari, linda). A partir desse fato, começa a contar sua vida e a vida daqueles em seu redor, a partir de um ponto futuro no tempo, onde ele já morreu.

O conjunto de "tipos" que compõem o subúrbio retratado no filme é um de seus pontos fortes: temos o pai de família fracassado e sem perspectivas, a mãe frustrada e viciada em auto-ajuda, a filha problemática e sua amiga popular, o vizinho esquisito, com seu pai militar rígido e a mãe ausente. E todos eles bastante realistas, ou pelo menos críveis, assim como a história que Lester conta a partir do dia que conheceu a amiga da filha até o dia de sua morte. O roteiro e as atuações são bastante elogiáveis (especialmente Kevin Spacey, que havia estourado há poucos anos com Seven e Os Suspeitos, e Chris Cooper, no difícil papel do Coronel Fitts), o visual e fotografia (especialmente nas cenas entre Lester e Angela, geralmente na imaginação dele), compondo um excelente filme, que ganhou prêmios e fez bastante sucesso na época do lançamento.


Mas provavelmente eu não estaria aqui escrevendo sobre o filme se não o tivesse visto de novo por esses dias. Além de comprovar que o filme continua atual, e foi realmente muito bem feito, algo me chamou atenção quando comparei as duas vezes que o vi, com 16 anos de diferença: o filme fala diferente para pessoas diferentes, e para fases diferentes da mesma pessoa.

Não é grande novidade que a experiência de quem assiste um filme varia de acordo com a sua vivência. Pros dois lados: há filmes que se não forem assistidos enquanto jovem, não vão ter grande apelo quando mais velho (Curtindo a Vida Adoidado, por exemplo). Mas me surpreendeu o quanto isso afeta a visão que tive de Beleza Americana aos 22 e agora aos 38 anos.



A primeira coisa: aos 22, me parecia que Lester Burnham era quase aposentado, que olhava do fim da vida e via que a tinha desperdiçado. Qual não foi minha surpresa quando logo na introdução ele diz que tem 42 anos. É pouco mais que a minha idade. O que me pareceu muito distante lá atrás de repente é algo muito próximo hoje. E isso me fez "sentir" muito mais a dor que ele sente, já que agora ele me parece "novo" e já desanimado da vida que passou anos construindo.

Outro ponto que passei a entender melhor: o "vilão" do filme, sob o ponto de vista de Lester, não é a idade, a velhice. É o conformismo, a desesperança. É estar longe do fim da estrada mas já achar que tomou o caminho errado e não se ver com forças para voltar e trocar de caminho. E não apenas ele: a seu modo, cada um dos personagens se vê em seu próprio caminho sem volta. Talvez seja essa a tal "Beleza Americana": você tem toda a condição de escolher de que maneira vai ficar insatisfeito.

É o principal mérito do filme também, conseguir mostrar sua mensagem de maneira diferente para cada um que o assiste. Ou, no meu caso, para cada fase da vida que assistiu. Não é pouco mérito.

Nota: 8,0